14/05/2006 a 20/05/2006
 23/04/2006 a 29/04/2006
 16/04/2006 a 22/04/2006
 09/04/2006 a 15/04/2006
 02/04/2006 a 08/04/2006
 19/03/2006 a 25/03/2006
 12/03/2006 a 18/03/2006
 05/03/2006 a 11/03/2006
 26/02/2006 a 04/03/2006
 19/02/2006 a 25/02/2006
 12/02/2006 a 18/02/2006
 05/02/2006 a 11/02/2006
 29/01/2006 a 04/02/2006
 22/01/2006 a 28/01/2006
 15/01/2006 a 21/01/2006
 08/01/2006 a 14/01/2006
 01/01/2006 a 07/01/2006
 25/12/2005 a 31/12/2005
 18/12/2005 a 24/12/2005
 11/12/2005 a 17/12/2005
 04/12/2005 a 10/12/2005
 27/11/2005 a 03/12/2005
 20/11/2005 a 26/11/2005
 13/11/2005 a 19/11/2005
 06/11/2005 a 12/11/2005
 30/10/2005 a 05/11/2005
 23/10/2005 a 29/10/2005
 16/10/2005 a 22/10/2005
 09/10/2005 a 15/10/2005
 02/10/2005 a 08/10/2005
 25/09/2005 a 01/10/2005
 18/09/2005 a 24/09/2005
 11/09/2005 a 17/09/2005
 04/09/2005 a 10/09/2005
 28/08/2005 a 03/09/2005
 21/08/2005 a 27/08/2005
 14/08/2005 a 20/08/2005
 07/08/2005 a 13/08/2005
 31/07/2005 a 06/08/2005
 24/07/2005 a 30/07/2005
 17/07/2005 a 23/07/2005
 10/07/2005 a 16/07/2005
 03/07/2005 a 09/07/2005
 26/06/2005 a 02/07/2005
 19/06/2005 a 25/06/2005
 12/06/2005 a 18/06/2005
 05/06/2005 a 11/06/2005
 29/05/2005 a 04/06/2005
 22/05/2005 a 28/05/2005
 15/05/2005 a 21/05/2005
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005
 24/04/2005 a 30/04/2005
 17/04/2005 a 23/04/2005
 10/04/2005 a 16/04/2005
 03/04/2005 a 09/04/2005
 27/03/2005 a 02/04/2005
 20/03/2005 a 26/03/2005
 13/03/2005 a 19/03/2005
 20/02/2005 a 26/02/2005
 13/02/2005 a 19/02/2005


 Dê uma nota para meu blog


 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis





lowcura


ESGRIMANDO COMIGO

 

1

O sol-reflexo sobe pela latrina

 

Qualquer vulcão sabe

Do perigo que é o fogo

 

O fogo é o sol

Que gira em torno de si

E a si consome

 

2

Quando eu sento e paro para olhar

O que vejo é o amarelo em minhas mãos de cigarro

O que não vejo não me importa

Só uma vez ou outra

Quando

Aciono minhas espadas

 

Por isso queimo por dentro

Todos os carvões de minha locomotiva

E chego tão próximo do toque

Que me afasto

 

São mais de quarenta anos perseguindo quem sou

 

 



Escrito por Rodrigo de Souza Leão às 13h26
[ ] [ envie esta mensagem ]



onti-onti-hojenunca

 

tem que ser letrado

de preferência próf

professor de letras

com quem sabe a pós

graduação nas artes

não é como antesnão

que dono de mercado

quejornalista leigo

que empresário rico

queembaixadornonada

que funcionário pop

que bigodudo elouco

qualquer um poetava

eprofessorde letras

publicava-seumlivro

ou do próprio bolso

ou do bolso doamigo

hoje há o currículo

prapublicarde graça

e tem que ser amigo

não só do amigo mas

tambémdoamigodele e

do seu melhor amigo

efrequentara panela

mas quanta desgraça

poeta nãoéprofissão

é quem assim o quer

e como assimeuquero

é como euprefiro pá

nela varre pro lixo

panela não épalavra

que eu goste e coma



Escrito por Rodrigo de Souza Leão às 15h07
[ ] [ envie esta mensagem ]



 

fragmento 01.

 

 

oligofrênicos deitados lado a lado e bundas assadas pela merda e sêmen e gorilas com bastões elétricos efetuando a tosa da juba de um leão que deitou seu infinito naquele armagedom tão piquenique que sequer um sorvete de um dólar custaria 25 centavos compra um copinho de café e a cafeína o deixará acordado e verá quem lambe o sue cu e mastiga os testículos de macaco no almoço e cabeças de avestruz e alguns dinossauros rex-ucitados enquanto náuseas de diazepan navegam  em meu amigo Sabath enfrenta o louco com seu berro e o estertor de sua vox que lembra o pai que o oligofrênico Alfonsos nunca teve enfermeira

 

eu vou para Paracambí entender os Iaruará e os Araruama e meu amigo surfará em Saquarema nas tetas lácteas do eletro encefalo grama de Serguei Enseinstein igual a Tropov e Einstein pré punk e precursor dos cabelos fitoterápicos e punkes e new wave e tudo o mais que veio em matéria de perucas lady tá na moda como o General esquizofrênico e deitado ao meu lado dizendo-se vítima de um complô onde a cia e a kgb irmanadas contra ele está seguro agora no soro e nas alturas da haldoperidona galáxias vê marcinha que deitada janis joplin nossa musa torna-se carina ou vanessa ou elisangela ou enfermeira x rebolando ao som do violão afinado em uma nota suja de cem qualquer dia nunca haverá mais enfermeira

 



Escrito por Rodrigo de Souza Leão às 16h37
[ ] [ envie esta mensagem ]



 

manhã cedo é hora de ler o extra ou o dia e os pms papa M utilizam o beijo na nuca como um tiro e alguns estão estressados com os solavancos da última chacina quando no jornal Nacional Kinder Ovo o kid nacional utiliza metáforas romanas para prever que aquela chacrete era um travesti e fomos todos traídos pelo desejo à moda JFK ao meu lado diz que o Brasil e a clínica X é um lugar bom e é hora de comer e de duas em duas horas aa aa  a a a  a aaaa a gente come algo ou alguém enfermeira

 

almoço macarrão café da manhã pão e café jantar boi ralado e mijão e ceifando as galinhas vestais estão os poetas fundamentais olhando-se no espelho e percebendo=se vampiros nenhuma imagem refletem ou nada são estético como aquele aparelho de pressão fodido que quase um exemplar de que jesus cristo teria orgulho de batizar tamanho esforço no que respira ainda como nós no calor de fevereiro e internado no hospício mais barato do cone sul poderia ser pior se eu tivesse passado pela triagem onde quatro comem um aqui um come o cu outro come a boceta e eu lavo os pratos cantando let is let is let it be enfermeira



Escrito por Rodrigo de Souza Leão às 16h35
[ ] [ envie esta mensagem ]



[ ver mensagens anteriores ]